segunda-feira, 10 de agosto de 2015

A filha é minha....


Sabe uma coisa que me irrita profundamente?
Pessoas que se acham super-mães e super-entendidas e vem me dizer como devo criar a minha filha.
Adoro receber dicas e conselhos.
Sempre os peço!
Mas peço a quem eu confio, a quem eu admiro, a quem sabe opinar.
Eu me irrito demais... fico com muita raiva mesmo das "pitaqueiras" de plantão.
Aquelas pessoinhas que acham que tem a receita de como criar filhos bem sucedidos!

"Olha Aline, não deixa ela dormir com você, controla o peso dela, não faz assim, faz assado. Com a minha filha eu fiz assim e deu tudo muito certo."
Ou então "Você ainda não deu tal alimento pra ela?"

Pela maneira que falam, parece que tem mini-gênios dentro de casa. E tratam a minha filha como uma incapaz.

E sabe o que me irrita ainda mais? Querer bater de frente comigo.
Eu digo que minha filha não irá experimentar algo agora, e a pessoa faz questão de oferecer pra ela, na minha frente.
Óbvio que ela vai querer.... tudo que oferece, ela fica doida pra provar!

É muito desaforo...
A filha é minha, eu crio da maneira que EU quiser e bem entender.
Leio muito, peço opinião de profissionais...
Não estou criando a minha filha às cegas, não.
Ela é a minha vida!

A Elis irá sim, fazer tudo a seu tempo.
Não porque A e B falam que fizeram com os filhos e querem me obrigar a fazer o mesmo.
Vou fazer isso por ela, pela individualidade dela. Mas não vou fazer isso com traumas pra ninguém. Vai ser com muito amor e muito respeito.

Mas, vou dizer pela milésima vez: A FILHA É MINHA E DELA CUIDO EU!

#prontofalei

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

A festa de 1 ano


O primeiro aninho do bebê é, geralmente, o mais cansativo, o que todos opinam sobre tudo e o que as mamães mais sofrem com as dúvidas!

É melhor dar ou não dar a chupeta? Será que posso dar chazinho? Qual a melhor marca de fralda?
Mas quando o bebê vai crescendo, a dúvida que tira o sono das mamães é a mesma: Vale a pena ou não, fazer uma festa para comemorar o primeiro aninho do bebê?
Eu, como uma boa festeira, respondo de imediato: claro que vale!!!! Não só o primeiro, como o segundo, o terceiro, o quarto....

E fazer festa não necessariamente significa gastar rios de dinheiro, fazer empréstimo no banco, ficar devendo o que tem e o que não tem... Quando eu digo “fazer festa”, quero dizer reunir as pessoas importantes nesse primeiro ano da vida dela para passar algumas horas agradáveis, celebrando a VIDA. O resto são detalhes!

Se engana quem diz que criança de um ano não aproveita a festa. Aproveita sim. Eles sentem a nossa ansiedade, sentem as boas vibrações do momento, sentem a energia positiva das pessoas que ali estão. É claro que as crianças que não estão muito acostumadas com barulho e com muita gente podem estranhar e até ficar enjoadinhas, chorosas. Mas até essas vão sentir a alegria que passamos nesse dia!

Além disso, nós, mães e pais, merecemos também essa comemoração, afinal, sobrevivemos ao primeiro ano! Em doze meses aprendemos, duramente, a ser mães e pais. Mais que isso. Aprendemos a ser BOAS MÃES e BONS PAIS. E como aprendemos!

Então bóra comemorar! E os preparativos do primeiro aninho da Elis já estão a todo vapor.

Que venha Novembro!

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Sonhar, nunca desistir



Depois de um final de semana especial, cheio de emoções, venho refletir um pouco com vocês.

Ter fé que vamos realizar nossos sonhos não é fácil; as dificuldades, as pessoas, e até nós mesmos, fazem com que eles desapareçam sem ao menos se levantarem direito... pensamos, decidimos, mas não agimos, deixamos para outro dia, esperamos a coragem!

O que devemos é não desistir NUNCA, uma frase que ouvi de uma pessoa especial e nunca esquecerei "Nunca pare de lutar"! Temos sim, que lutar pelos nossos sonhos, nossos objetivos... não importa o quão difíceis serão!

Ter fé e principalmente atitude, é o que faz tudo acontecer!

Uma linda e abençoada semana a todos

quinta-feira, 25 de junho de 2015

Os jovens estão morrendo....



E por mais dura, cruel e até mesmo fria que seja a frase é exatamente assim... Para Morrer Basta Estar Vivo!

E assim amanhecemos mais um dia, com os noticiários da morte do cantor Cristiano Araújo e sua namorada Allana!
Não faço do Blog um noticiário, mas é necessário colocar para fora o que sentimos diante de algumas situações e confesso que me sinto muito desconfortável diante da morte. Isso acontece desde sempre, e olha que nunca perdi alguém tão próximo... sentir a ausência de pessoas que amamos e ser ausente para aqueles que nos amam é algo que causa um sofrimento permanente que é amenizado com a correria do dia a dia e com as gotas de felicidade que recebemos no decorrer da vida!

Mas a realidade é uma só, viemos a esse mundo de forma passageira, sendo nos emprestado um corpo físico para desenvolvermos o nosso aprendizado e evolução... fato que Cristiano Araújo, externou muito sentimento e trouxe verdade, alma e coração para suas músicas! Feliz daquele Jovem de idade ou de espírito que soube absorver o que ele desejava transmitir!

Siga em Paz e Tenha a tão Desejada Paz!

Sem Mais...

segunda-feira, 22 de junho de 2015

A volta ao trabalho



Acho que já estou ficando dramática demais com essa história, mas realmente essa primeira separação é muito dolorida.
Em meio a esse sofrimento, sempre aparecem os anjos para nos consolar... e entre vários carinhos, recebi um e-mail que resolvi compartilhar aqui no blog:

"Chegou o dia de voltar ao trabalho, o coração aperta, sei que a vontade é de jogar tudo para o alto e ficar com ela, mas vc lutou tanto pelo seu trabalho e sabe que não pode jogá-lo fora.

Aí dói, dói muito. Dá medo dela esquecer de vc, ou de gostar mais de sua mãe. Dá medo de que algum mal aconteça, sem que vc esteja por perto. É normal, claro! Ninguém no mundo terá mais amor do que vc para ela. E assim, é possível encontrar pessoas boas pelo caminho, que cuidem da sua filha como se fosse dela.

Já passei por isso amiga, e saiba que nada fará a Elis esquecer de vc. A ligação entre mãe e filho é grande demais para ser esquecida, só pq agora ela terá que passar o dia com outra pessoa.

Ela irá sentir sua falta, mas logo se adaptará a nova rotina, o reencontro no fim do dia, fará com que o momento não seja maravilhoso só para vc e sim para ela também, que por mais bem tratada que seja, saberá que agora está de volta ao aconchego da mãe.

O cheiro, a voz, o modo de falar e até de fazer carinho, é único e ela sabe bem quem é a mãe dela no meio de tantas outras pessoas. Por isso, vá trabalhar com o coração em paz, quando vc voltar ela estará te esperando cheia de saudades. E quando crescer, entenderá que vc fez tudo isso por ela."

Hoje, dia 22 de Junho, meu coração está em pedaços.... ou melhor, meu coração está em Batatais e eu aqui em Altinópolis. Mas me conforta saber que tudo a seu tempo, ficará bem!

Deus nos abençoe.




segunda-feira, 18 de maio de 2015

Um pouco da minha história



O mês de maio é um mês tão “cute”. Esse sempre foi um mês emocionante pra mim, porque quando falamos de mães, não tem como o coração não se sentir florido.
Esse ano está mais “cute” ainda, porque foi o meu primeiro ano de mamãe e eu queria falar um pouco sobre a minha história até aqui.
Como toda mulher, eu sempre pensei, quis, sonhei em ser mãe. Mas existiu uma época em que esse parecia ser um sonho distante, talvez se não impossível, pelo menos pouco provável.

Alguns anos atrás fui diagnosticada com cisto no ovário e desde então passei os meses que se seguiram, à base de remédios com hormônios para que ele não se desenvolvesse e eu pudesse ter meus ciclos menstruais todo mês, como toda mulher saudável. Mas ele foi se transformando em um cisto grande, do tamanho de uma laranja, e de massa, o que significava que a única solução para o problema seria uma cirurgia de retirada do ovário direito.
Mas existia um plano superior, e um dia com dores muito fortes no abdômen corri ao médico e ele marcou minha cirurgia para dois dias na frente. Sim, tive que retirar o ovário direito. E com isso, praticamente já havia me conformado com a impossibilidade de uma gravidez.
Mas Deus existe, Ele é real e verdadeiro, e se a minha fé antes não era nem do tamanho de um grão de mostarda, Ele deu um jeito de que eu entendesse que milagres ainda existem nos dias atuais. E acreditem, Ele mudou a minha história!

No dia certo, com a pessoa certa, que me fez viver um amor que eu nem imaginei que ainda pudesse nessa vida (depois que você apanha muito da vida, você esquece que ainda podem existir amores verdadeiros), e três meses depois de um aborto espontâneo, eu estava grávida. Siiiimm, GRÁVIDA!
Na minha primeira ultrassom, minha primeira pergunta para a médica foi “Está tudo bem com o bebê? Ele vai sobreviver?"
Sim, eu vivi um milagre, e se tem uma coisa que eu posso dizer dessa minha experiência de maternidade, foi que Deus fez um milagre na minha vida, mudou minha história, e minha pequena Elis é a maior certeza de que Ele faz coisas incríveis ainda hoje, mesmo com esse mundo dando tantos “tapas” em Seu coração de Pai.
E agora, estou aqui, onde acabo de comemorar meu primeiro DIA DAS MÃES, e não tem nada nessa vida que me dê mais alegria do que poder estar com minha pequena nos braços, e chorando com os comerciais de TV sobre o dia das mães, e entendendo que amor é esse, que é capaz de dar a vida, e sentindo que a vida só tem graça de verdade depois que temos um filho, e entendendo que ser mãe de menina é como ter um jardim florido, cheio de flores e rosas.

Sim, eu sei, mais do que nunca, o valor que a minha mãe tem pra mim, o quanto ela foi a melhor escolha dentre tantas que poderiam existir, e que Deus sempre foi incansável em Suas demonstrações de perfeição, porque só sendo perfeito, para saber qual seria a mãe perfeita pra mim.
Assim, hoje eu só quero dizer, que meu milagre é meu melhor e maior presente, e que eu possa comemorar todos os dias, com a certeza de que não passei por essa vida sem conhecer o verdadeiro amor, o tal do amor incondicional, esse que dá valor, sabor e cor a tudo o que somos e temos.

Eu amo ser MÃE!

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Momento difícil


Estou passando por uma fase muito difícil, volto a trabalhar no próximo mês, pois é, está acabando a minha licença maternidade! Talvez algumas pessoas não saibam, mas sou funcionária pública, e esse sempre foi um sonho meu, foram 3 anos de estudos para isso, e deveria estar mega feliz que vou voltar ao meu cargo, mas estou triste e com medo, e tudo isso porque vou me separar o dia todo da minha pequena.

Estou apavorada, choro quase todos os dias, penso que ninguém vai cuidar dela como eu, ninar ela como eu faço e entender cada tipo de choro... Sou daquelas mães que fazem tudo, sabe? Mesmo tendo pessoas comigo, se estou em casa sou eu que assumo a Elis, e isso é por puro prazer, talvez até um certo tipo de dependência...

Tem sido muito mais difícil pensar nessa separação (ainda que apenas durante o dia) do que imaginei. E pior é que eu não tinha (até ter a Elis) aquele instinto maternal acima de tudo, ao contrário, sempre me imaginei muito mais como uma super profissional do que como uma super mãe. Mas desde que a Elis nasceu tudo mudou, e a minha vida passou a girar em torno dela, tudo acaba sendo para ela, por ela e com ela...

Eu nunca me vi mãe full time, largando meu emprego para me dedicar a maternidade. Mas não consigo me imaginar satisfeita voltando a trabalhar agora.
Apesar dos pesares, o que eu queria, era continuar com minha filha.

O que me consola é saber que ela estará bem cuidada.... com minha mãe, meu tio e minha avó. Sei que ali ela será tratada como uma princesa.

Estou pedindo muita orientação a Deus, para acalmar meu coração. Ele me confirma todos os dias, que minha plenitude está na minha família, mas que além dela tenho algumas missões a cumprir.... e por hora, estarei no lugar certo, voltando ao meu trabalho.

Exercer minha profissão, é uma grande paixão! E eu ainda tenho muito a realizar, com esta profissão que sempre sonhei e me preparei. Portanto terei que voltar tranquilamente e sabendo que minha razão estará à minha espera.

Se um dia largarei tudo? Não sei, pode ser que sim, pode ser que não. Mas tenho a plena certeza que de onde Deus me tirar, ele me colocará em algo muito maior.

Estou fazendo a minha parte e aguardando o tempo certo das coisas.