quarta-feira, 23 de julho de 2014

É cada uma, viu...



Todas as gestantes já ouviram comentários completamente sem noção. Coisas como “Você está com 5 meses? A minha sobrinha PERDEU com 5 meses, foi muito triste” ou “Aonde você terá seu bebê? Porque, olha, minha irmã quase morreu no parto”. Não faço ideia do que se passa na cabeça dessas pessoas.

A última que aconteceu comigo foi assim. Encontrei um amigo e sua mulher, também grávida e que eu nunca tinha visto na vida. Depois dos cumprimentos, o assunto obviamente migrou para nossas barrigas. Quantas semanas, sexo do bebê etc. Até que vem o diálogo bacanão:

Ela: “O meu é para fim de outubro, e a sua?”

Eu, com sorriso no rosto: “Para final de novembro”

Ela, com certo desprezo: “Nossa… COI-TADA”

Aí veio o marido dela: “Mulher acha problema em tudo. Por que coitada? A resposta: “É um mês ruim, pertinho do Natal”.

Nossa, mas que problemão, minha gente! Vou até antecipar um mês o parto… #not.

Ainda pasma, eu disse: “Sabe que eu nem tinha pensado nisso? Mas te garanto que agora, para nós, será o mês mais lindo do ano”.

Silêncio.

Todo mundo tem algo a perguntar, acrescentar, apavorar ou sugerir para uma mulher grávida. Algumas dessas histórias se repetem como um eco ao longo de toda a gravidez, como a mais sádica de todas: “aproveite para dormir bastante agora, porque depois você nunca vai dormir”.

Mas tem uma pergunta em especial que, apesar de ser comum, sempre me faz pensar. A pessoa vê a grávida, dá parabéns e então pergunta sobre o sexo do bebê:

– Já sabe o que é?

Como assim o que é? Pode ser algo além de um bebê?

Outra pergunta também muito comum é: “Vai fazer parto normal ou cesárea?”. Independentemente do que você responda, virá uma crítica ensaiada para assustar a grávida ou dizer que a outra opção é sempre melhor.

E assim será até o 9º mês. Mas eu já bolei algumas respostas.

“Você nunca vai dormir!” – Tudo bem, eu tenho insônia crônica.

“Já sabe o que é?” – Olha, estamos torcendo para que seja uma criança.

“Parto normal ou cesárea?” – Cócoras, minha senhora, cócoras…

Sei que passarei por muitos desses momentos ainda. Mas acho que nunca vou me acostumar.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

A longa espera


Eu nunca soube esperar. Nunca soube direito deixar acontecer.
Sempre quis fazer. Fazer tudo, roubar os minutos, trapacear o depois e transformá-lo em agora.
Eu não sabia o que era esperar até eu ter que ver o tempo lentamente trazer você em minha direção.
É doce essa espera. É boa. Acho que esperei minha vida toda pra te olhar nos olhos pela primeira vez. Talvez eu tenha a esperado mesmo antes de saber que eu seria sua e você seria minha.
De dentro pra fora. E é estranho eu esperar pra ter nos braços alguém que está agora mais perto do meu coração. E arrumar nosso lar aqui pra te receber enquanto você mora em mim.
Essa espera é sentir uma saudade quase doída de alguém que ainda nem vi mas já conheço. Acho que sempre a conheci. É como aguardar ansiosa um postal de um amigo de longa data que sempre esteve no meu quintal. É saber que não importa o quanto chova hoje, que amanhã vai ser um dia de sol.
É aquela música que eu sei cantar sem nunca tê-la ouvido.
Justo eu, sempre correndo tanto contra o tempo, hoje só espero ele passar por mim.
E ele bate suave nos meus pés como onda mansa. E nós ali, diante da imensidão apenas procurando um ao outro pra ser nós no mundo.
De mãos dadas aguardando ansiosamente a sua chegada. Caminhando meio desajeitados aqui e ali, abrindo as asas, arrumando o seu ninho e nós, justo nós que nem sabemos ainda voar.
Fazendo planos. Que bobagem, eles sempre saem do jeito que é pra ser.
Tentando adivinhar a cor dos teus olhos e com quem você vai mais se parecer. Você é o nosso retrato desenhado pelas tuas tímidas mãos.
Esperar você é olhar uma moldura sabendo que um dia uma obra de arte estará ali.
É seguir por um caminho que nunca passei e mesmo assim ter a certeza de que não importa aonde for, a partir de agora estamos indo para a casa.

Elis, estou a sua espera!

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Nascerá uma flor aqui no nosso jardim...


Nossa Elis, nossa Flor, nossa filha!

Que alegria (e que sorte) descobrir aos 4 meses de gravidez que estamos a espera de uma menina. Confesso ter ficado surpresa, desde o começo eu achava que esperava um menino e por incrível que pareça quando a gente fica grávida essa preferência se esvai... É como se o sexo do bebê não tivesse importância alguma, afinal, ele está ali, dentro de você, e isso já é tão lindo, tão intenso, tão mágico que não interessa se o quartinho vai ser rosa ou azul. Você simplesmente quer esse bebê, fruto de seu amor, em seus braços. Simplesmente assim!

Primeiro veio o fim dos enjoos (ufaaa!), depois vieram os incômodos na barriga, mas eu não sabia quem me habitava. Chamava de bebê e até então era meu bebê e ponto final. Sem ansiedade, sem neura. Mas ai todo mundo começa a perguntar "e ai, já descobriu o que é?" e isso vai se transformando em uma avalanche de sentimentos que dia após dia só aumenta... Ai, meu amor, não há mãe que aguente! Quero sabeeeeeer!!!

O dia do ultrassom chegou! 18 semanas e 6 dias de gestação. Um medinho percorrendo minha espinha, "será que vai dar pra ver?" - o doutor mexe aqui, mede acolá, fêmur, barriguinha, cabeça, perninhas e na lata: "muié" - HÃ, COMO ASSIM, MENINA? O Michael nesse momento enche os olhos de lágrimas! Não sei se dou risada ou se choro! São dois risquinhos minúsculos no meio das perninhas que definem o meu bebê: Elis!

Saímos do consultório com aquele sorriso que não descolava do rosto, sabe? E me sentindo privilegiada. Meu Deus, ser mãe de uma menina!!! Minha mãe estava com a gente, e era pura alegria. Logo demos de cara com minha amiga(irmã) que nos aguardava do lado de fora do consultório, ela quase não acreditou! Eu só pensava nela, só queria falar o nome dela: estou esperando minha filha, minha Elis!

Agora, estamos nos conhecendo. Eu canto pra ela e ela dá uma mexidinha. Eu passo a mão, fico imaginando seu rostinho, abro as roupinhas toda hora... Já estamos criando nosso laço mãe&filha. Elis vai ser minha companheira, minha amiga, minha flor... E eu vou cuidar dela com todo carinho que uma flor necessita.

Filha, eu te amo!

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Escolhas


Sabe aquele momento – que sempre chega - em que é necessário escolher se jogar na vida ou ficar parado, à beira do caminho, vendo ela passar?!

Vira e mexe a gente tem que fazer escolhas, algumas são certeiras e a gente sabe exatamente por que está ali para fazê-la, porém, há outras que você não faz a mínima ideia de onde elas poderão te levar.

Pode ser que essa seja aquela escolha que você esteve a vida toda esperando para fazer, mas, pode ser que essa seja apenas mais uma, que você tem que fazer, para que possa ir além. Como degraus que você tem que subir um a um para te levar onde deseja. Não importa qual destas seja ela, o que importa é que é necessário fazê-la se quiser ir a diante, sem medo!

Toda escolha acarreta sacrifício, acarreta perdas, acarreta renúncias, mas quando se sabe exatamente aonde se quer chegar não há obstáculos, não há cara feia, não há nada que tenha força o bastante para se fazer desistir. Sempre chega aquele momento em que a gente sabe que vai precisar ter coragem. Aquele momento em que a gente veste a armadura e sente que está pronto pra guerra; e sabe que não importa quantas serão as batalhas, vai valer a pena!

Eu escolhi ser FELIZ!

Uma ótima semana a todos!

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Dia dos namorados para os casados


E quem disse que depois de casar não se comemora dia dos namorados? Para os casados essa data é tão ou mais importante do que para quem ainda não juntou as escovas de dentes. É uma data que serve para reafirmar o compromisso, reacender a chama e uma bela desculpa pra trocar presentes legais.

Mas essa data é muito mais do que apenas estourar o limite do cartão de crédito. É um dia onde as pequenas coisas, que normalmente já são mais importantes tomam uma dimensão ainda maior. É o dia do marido acordar a esposa com um café da manhã na cama, de dar uma forcinha e deixar a casa toda em ordem pra quando ela chegar do trabalho não ter que fazer nenhuma tarefa doméstica, de fazer uma massagem dos pés à cabeça e dizer “Eu te amo” olhando nos olhos, com as mãos no rosto dela.

Muita gente diz que casamento é chato, que nunca se veria casado, etc. Eu acho que casamento é a melhor coisa do mundo!

Se você ama muito alguém e quer ter essa pessoa ao seu lado, não há tempo a perder. E não falo só do casamento tradicional, na igreja. Casar é se comprometer. É estar lá quando a pessoa adoecer, é rir junto, sofrer junto, brigar, fazer as pazes, dividir as contas e envelhecer o corpo, mas não a alma. Um conselho que eu dou é: se você nunca casou, não ouse dizer que casamento é ruim, porque você simplesmente não tem conhecimento de causa. Se você já casou e foi uma droga, não queira definir a experiência dos outros baseado na sua. Não existe casamento ruim, existe relacionamento ruim e gente mal-casada.

Uma grande vantagem de estar casado nesse dia é não ter que enfrentar fila de motel e de restaurante. Um jantar bem-feito e uma bela noite regada a uma bebida gostosa com certeza será inesquecível. Com um detalhe: acordar quentinhos, juntos, a própria cama e prontos pra comemorar outro dia dos namorados em 13 de junho, 14 de junho…

Comemorem muito!

terça-feira, 10 de junho de 2014

Ahhh o amor...



Certo dia, em uma entrevista perguntaram à cantora pop dos Estados Unidos, Katy Perry, se ela namoraria alguém que não tivesse pernas ou braços. A cantora prontamente respondeu :

- 'Claro, por que não? Já namorei gente até sem coração.. '



Não preciso dizer mais nada.. virei fã dela! =)

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Viva



Algumas coisas foram feitas para durarem uma noite, outras para serem passageiras e outras ainda para durarem a vida inteira.

Felizes aqueles que, distinguindo-as, sabem deliciar-se com cada uma delas.

Você não sabe o tempo que tem. Viva!