sexta-feira, 24 de junho de 2016

Como?

Há mais de 1 ano e meio, te olho e me pergunto como eu, seu pai, suas vovós e seus vovôs, vivemos esse tempo todo sem você.
Pra você só peço saúde, e prometo correr atrás do resto.

Te amo filha.

terça-feira, 7 de junho de 2016

Vida alheia.com


Entrei no Facebook como costumo fazer diariamente e analisei mais profundamente os status postados pelos meus "amigos" (leia-se conhecidos e o porquê eu nem preciso explicar, né?). Será que as pessoas notam o quanto elas se expõem no mundo virtual? Digo Facebook por ser o mais usado, mas em redes sociais como Instagram e Twitter, principalmente.

Até onde vai a exposição das pessoas? Hoje é possível postar fotos, vídeos, conversar com os amigos, expor ideias pessoais em apenas uma rede social, entre várias outras funções. O celular fez com que o mundo da internet se difundisse ainda mais, pois a qualquer hora e em qualquer lugar, as pessoas podem postar fotos ou atualizar seus status, contando o que estão fazendo no momento ou planejando fazer. Dispositivos conseguem rastrear a localização dos usuários, mostrando onde eles se encontram na hora da foto/status.

As pessoas precisam mesmo ficar por dentro desses detalhes tão íntimos da vida de cada um? Ninguém precisa mais ler as colunas sociais dos jornais, afinal, que melhor jeito de ficar atualizado das fofocas alheias do que uma coluna digital, que está sempre atualizada, que as informações correm mais rapidamente e de pessoas mais próximas, que fazem parte do nosso dia a dia? Pergunta retórica.

A dúvida que paira em minha mente é justamente se essas pessoas percebem o quanto estão sendo expostas ou se fazem isso por algum tipo de impulso, uma vez que na hora de qualquer sentimento forte como tristeza, felicidade ou raiva, redes sociais são as formas mais rápidas de difundidos e ter respostas.

Não posso também ser cínica e dizer que não me exponho, porque também posto fotos, conto histórias do meu dia a dia e por vezes até falo sobre minhas tristezas e felicidades... mas estou mudando meus conceitos, e me policiando para que tudo não seja de uma forma tão explícita.

Então, aqui fica a minha conclusão: que a internet revolucionou as comunicações e o mundo, isso é fato e irrevogável, nos deixa mais próximos de algumas pessoas em momentos que não podemos ficar perto fisicamente, porém, a vida ainda acontece no cara a cara, no toque. Tem coisa, que a gente guarda, não porque seja segredo, mas porque não interessa a mais ninguém.

Todo mundo prega a liberdade, mas se prende a dar explicações da sua vida pessoal na internet. A privacidade é muito valiosa - pelo menos pra mim - e nada é tão bom como saber que se tem uma vida preservada longe dos teclados e dos monitores que nos deixam presos nesse mundo digital.


PS* É a minha humilde opinião, mas como a privacidade é (ou pelo menos era) individual, cada um sabe o que faz com ela, né? Fica a Dica!

terça-feira, 31 de maio de 2016

Agradeça sempre


Eu participo de alguns grupos de discussão no Facebook e hoje me deparei com um post que mexeu comigo, mesmo, a ponto de me fazer chorar e de vir aqui escrever esse texto.

Nele, uma das participantes mostrava a foto do seu priminho, um bebê lindo, de menos de um ano, e contava que ele nasceu com hidrocefalia e que, depois, descobriram que ele tinha um tumor no cérebro. Segundo o que ela relatou, ele iniciou o tratamento via convênio, aqui no interior de São Paulo, mas agora o convênio afirma que não irá cobrir os custos de tratamento e hospedagem da família pois o seu plano ainda está em período de carência.

O bebê, então, começou o tratamento via SUS, mas a família não tem condições de custear hospedagem em outra cidade e aí surgiu o pedido de ajuda no grupo.

Gente, esse post cortou o meu coração. Me levou ao chão. O fato de eu ser mãe, ou porquê passei um susto com a Elis essa semana, ou o simples fato de eu ser humana, e ter um coração que bate dentro de mim, me fizeram ficar pensando sobre isso sem parar. E me fizeram, acima de tudo, parar para agradecer imensamente a saúde que a minha filha tem, pois, vamos ser sinceras, essa é a coisa mais valiosa que podemos ter. Mais valiosa mesmo que a nossa própria saúde.

Hoje, não é que a Elis não tenha nada, pelo contrário, vira e mexe tem alguma encrenca para tirar o nosso sono, mas ela leva a vida como qualquer criança da sua idade, é feliz, ativa e cheia de energia. E acredito que isso já seja motivo suficiente para acordar, todo santo dia, e agradecer, agradecer e agradecer. Seja a Deus, seja ao universo, seja a qual for a força divina que você acredita. Mas simplesmente agradecer.

Assim, quero dizer que, de verdade, pouco importa se só temos um filho e queríamos ter dois, se temos um filho que não veio na melhor hora, se temos um filho que é mais espoleta do que a gente queria ou se dorme muito pior do que a gente sonha, o que importa mesmo, mesmo, é que ele tenha saúde pois nada, nada, nada nesse mundo tem mais valor que isso.

Sempre que você for reclamar de algo, perder a paciência, achar que seu filho tinha que ser assim ou assado, lembre-se que ele é saudável e que há milhares, mas milhares de famílias que dariam tudo para essa ser a realidade delas.

Simples assim. Mas tão difícil da gente enxergar muitas vezes.

terça-feira, 24 de maio de 2016

A supermulher


Eu odeio a supermulher.

Ela é algo inatingível. Um esteriótipo que até pode ter sido criado pra inspirar e dizer: "Sim, você é capaz de tudo." Concordo. E parou por ai.

Sou capaz de tudo. Somos capazes de tudo!

Mas quem disse que precisa ser tudo ao mesmo tempo? E quem disse que a gente tem que fazer de tudo, só porque é capaz?

Quando vejo um comercial de TV mostrando o quanto é legal ser essa mulher multidisciplinar, bem sucedida e feliz em todos os aspectos da sua vida, tenho a vaga sensação de que executar todas as tarefas com êxito tem o mesmo resultado de assoviar e chupar cana ao mesmo tempo. É humanamente impossível não pecar em algum lado, nem que seja na nossa sanidade.

Aquela doida varrida tentando equilibrar todos os lados da sua vida, afogada em um turbilhão de tarefas. E faz questão de resolver tudo sozinha. Quem disse que isso é legal?

Super mãe, super mulher, super esposa, super dona-de-casa, super profissional.

... Super louca!

A questão aqui é matemática. E a conta não fecha. O dia tem só 24 horas para encaixar tantos superpoderes.

Sabe qual o resultado da síndrome da supermulher?

Super culpa. Super frustação.

Tudo bem se você teve que trabalhar e ficou longe do seu filho. Tudo bem se você ficou com seu filho e foi uma profissional meia boca, ou nem sequer foi uma. Tudo bem se você não consegue ir na academia. Tudo bem se sua casa anda uma bagunça porque você preferiu ver um filme. Tudo bem se você não fez sexo só pra agradar seu marido naquela noite. Tudo bem! Desde que esteja bem resolvida com você.

Lutamos tanto pela igualdade de direitos lá fora, mas esquecemos que dentro de casa também precisa ser assim. Não temos a obrigação de dar conta de tudo! Dividir a carga é essencial.

Eu não dou conta de tudo! E quer saber? Tá tudo bem!

Forte abraço.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Quando a maternidade nos define


Quando nascemos, basta que cresçamos um pouco e nos reconheçamos como seres humanos, partes integrantes desse mundo, para começarmos uma busca intensa pelo nosso eu verdadeiro, pela nossa missão, pelo nosso caminho. Existem aqueles que parecem já ter nascido sabendo a que vieram, aqueles que têm plena consciência e plena certeza do seu papel nessa vida. Eu não fui uma dessas pessoas.

Já quis ser bailarina, mas nunca fiz uma aula de ballet sequer. Já quis aprender a tocar cavaquinho, mas nunca fui além dos solos que um amigo me ensinou. Já quis dançar jazz, mas compareci a uma aula apenas e nunca mais retornei. Já quis ser jogadora de basquete, treinava na escola, mas desisti no meio do caminho porque achava que meus 1.62 não eram suficientes. Já quis ser fluente em inglês, mas não fui além daquilo que aprendi sozinha através da música e dos livros. Já quis ser publicitária, veterinária, jornalista e até advogada. Já quis ser aquela blogueira super organizada e manter meu blog sempre atualizado com conteúdo e imagens de qualidade, mas já passei meses sem escrever, uma palavra sequer.

De tudo que eu já quis fazer ou que comecei e não terminei, eu poderia facilmente dizer que não tive força de vontade e dedicação suficientes para levar nenhuma dessas coisas adiante. Mas isso não seria completamente verdade. A verdade, é que sempre fui muito perfeccionista e, se não fosse para ser perfeito, eu preferia não fazer. Luto contra isso desde pequena e melhorei muitíssimo nos últimos anos, graças a coisa mais imperfeitamente perfeita que poderia ter me acontecido: a maternidade. Mas ela não esteve sempre aqui. Ela chegou devagar e foi tomando conta, foi abrindo espaço onde parecia não haver.

Sabem aquela amiga, conhecida ou parente que diz desde sempre “eu nasci para ser mãe”? Então, eu não fui essa pessoa. Nunca tive um instinto materno muito aflorado. O que consigo me recordar, porém, é que ser mãe era algo que me intrigava bastante, algo que levava meu pensamento lá para longe, que me fazia ficar com a pulga atrás da orelha. E, principalmente, que fazia meu coração palpitar e dava aquela sensação de embrulho no estômago, sabem? Do tipo que a gente tem quando se apaixona ou antes da descida daquela montanha russa radical que, quando acaba, juramos nunca mais voltar.

Eu nunca soube bem ao certo qual era o meu papel no mundo, o que eu deveria ou desejava fazer. Só sabia e sentia – como provavelmente todas as pessoas desse planeta – que queria amar e ser amada, queria espalhar amor pela vida afora. E foi aí que a maternidade se encaixou com perfeição para mim. Com ela pude experimentar e aprender muito mais sobre mim mesma, sobre os outros e sobre o próprio amor. Com ela, pude conhecer com um olhar microscópico o melhor e o pior que existem aqui dentro. Com ela pude evoluir, graças a cada erro que cometi, graças a cada tropeço e a cada lágrima que deixei rolar em todas as vezes que me senti cansada, frustrada ou impotente.

De repente, é engraçado perceber que mesmo lutando internamente para que a maternidade não pudesse definir totalmente quem eu era, ela acabou, aos poucos, definindo.

Eu, que nem imaginava ser mãe, tenho curiosamente me sentido extremamente feliz e satisfeita assim, exercendo a maternidade de braços abertos, enfrentando os desafios, os dias difíceis e as minhas falhas – que são tantas – com as únicas coisas que posso ter de garantido para oferecer a minha filha: a coragem, o respeito e o amor.

Eu perdi o medo de ser mãe, no exato segundo em que me dei conta de que essa é a minha missão, esse é o meu principal papel no mundo – colocar gente amorosa e amada nessa vida. Quando falamos em ser mãe, parece algo básico, trivial, nada comparado aos grandes feitos, aqueles que mudam os rumos da humanidade. Mas, se formos analisar bem de pertinho, é sim, gente. É enorme.

Se eu ainda quero fazer e ser tudo aquilo que contei lá no início do texto? Claro que quero! Mas, por agora, mãe, apenas, me define: gente forte, guerreira, porreta e cheia de amor. É isso que eu quero ser quando eu crescer.

Esse texto, esse aprendizado, continua nos próximos capítulos – que devem durar a vida toda, eu espero.

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Psiu, cá estou

Ainda tem alguém aí???

Já se foi tanto tempo desde a última postagem aqui no blog.... a vida chamou e precisei me ausentar.
Mas, aqui estou de volta, com muita saudade do meu "cantinho".
Não sei o quanto assídua conseguirei ser, mas sei que tem uma fila imensa de coisas para compartilhar com vocês!

Para marcar o retorno ao blog, trago algumas fotos de uma sessão que fiz com a Elis, em comemoração aos seus 1 ano e 6 meses.

Espero que gostem! *